FATOR DE IMPACTO

science-teacher_23-2147509483

Se você está chegando agora em um programa de pós-graduação ou começando uma iniciação científica,  o termo Fator de Impacto (FI) fará parte de sua vida.

Mas o que é o Fator de Impacto?

É uma forma de avaliar o impacto de uma publicação na comunidade científica. Portanto, pode ser utilizado como um indicador na hora da escolha de qual revista publicar, pois quanto maior o impacto da revista, maior as chances do artigo ser lido e citado!

Desde 1972 os FI são calculados anualmente para os periódicos indexados ao Institute for Scientific Information (ISI)

Em termos matemáticos, em um dado ano o FI de um periódico é calculado como o número médio de citações dos artigos que foram publicados durante o biênio anterior.  Por exemplo, o FI de um dado periódico em 2015 pode ser calculado como se segue:

O Fator de Impacto de 2015 = A/B

  • sendoA = o número de vezes em que os artigos publicados em 2013 e 2014 foram citados por periódicos indexados durante 2015
  • sendoB = o número total de “itens citáveis” publicados em 2013 e 2014 (“itens citáveis”: geralmente artigos, revisões, resumos de congressos ou notas, não sendo computados editoriais ou cartas ao editor)

Aplicando-se a equação descrita acima, se no tal periódico foram publicados 320 artigos científicos no biênio 2013-2014, e se no ano seguinte estes receberam 920 citações, seu FI em 2015 será 920/320 = 2,875.

Os fatores de impacto de 2015 são publicados em 2016 e, para tal, eles não podem ser calculados até que todas as publicações de 2015 tenham sido recebidas pela agência de indexação.

O FI das revistas podem ser consultados pelo Journal of Citation Reports (JCR).  

EDITOR FORMATA TEXTOS COM AS NORMAS DA ABNT

menthor2

Uma startup de Curitiba, Menthor, desenvolveu um editor de textos totalmente gratuito e on-line, capaz de formatar um texto já nos  padrões da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), o que promete facilitar a vida dos estudantes.

Lançada em setembro de 2015, a primeira versão oferece um criador de referências para trabalhos que permite baixar um arquivo do Word após o preenchimento dos dados. Com uma interface simples, a ideia do projeto é que o aluno se concentre no conteúdo de seu texto, enquanto o sistema faz o resto. O editor completo ainda está em desenvolvimento.

É possível obter mais informações na página do Facebook da startup.

INCENTIVO AS ARTES: EDITAIS FAPERJ

educational-icons_23-2147507455

Como forma de valorizar a diversidade da cultura brasileira, em particular no que diz respeito à criação artística contemporânea, a Fundação lança, nesta quinta-feira, 28 de janeiro, dois programas dedicados especificamente a esse campo: o inédito Estímulo à Criação, Experimentação e Pesquisa Artística, e a versão 2016 de Apoio à produção e divulgação das artes no Estado do Rio de Janeiro.

O programa Estímulo à Criação, Experimentação e Pesquisa Artística 2015 – parceria entre a FAPERJ e a Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro (SEC-RJ)  – foi anunciado na tarde desta quinta-feira, em solenidade que teve lugar na Casa Rio, Zona Sul da cidade. O edital, inédito, vai oferecer 20 bolsas anuais para a produção de projetos inéditos e com apresentação ou exposição pública, nas áreas de artes visuais, audiovisual, música, artes cênicas, literatura, culturas populares, arquitetura, memória e patrimônio. As inscrições das propostas serão abertas amanhã, 29 de janeiro, e vão até 31 de março.

A expectativa quanto ao edital atraiu dezenas de artistas e estudantes a Casa Rio, residência para artistas e produtores culturais, sem fins lucrativos, localizada no bairro de Botafogo. Ao lado da secretária de estado de Cultura (SEC-RJ), Eva Doris Rosental, a diretora de Tecnologia da FAPERJ, Eliete Bouskela, destacou o sucesso da parceria. “É um casamento perfeito. O Rio precisa de cultura e essa época de crise é um período rico para a produção e criação artística. Basta lembrarmos da riqueza cultural que a Ditadura Militar gerou. Espero que este seja apenas o primeiro de uma série de editais voltados à produção artística que a secretaria e a FAPERJ lançarão”, afirmou Eliete.

Presidente da Fundação, Augusto C. Raupp lembrou das ações de estímulo à cultura em que a agência de fomento do estado do Rio tem trabalhado ao lado de outras instituições, como as obras do novo Museu da Imagem e do Som (MIS) e a parceria com o Rio Criativo. “Estimular a criatividade no estado é incentivar a inovação e o empreendedorismo. E é justamente essa a marca que nós, da FAPERJ, queremos deixar”, salientou Raupp.

Para a secretária de Cultura, Eva Doris, o edital é uma oportunidade de legitimação do saber artístico: “Estamos dando às Artes o mesmo peso do saber acadêmico”, disse Eva, ressaltando que o programa se estenderá até o ano de 2018.

Também estiveram presentes à cerimônia de lançamento, o diretor artístico da Casa Rio, Paul Heritage; e o trio de especialistas, responsáveis pela elaboração do projeto de fomento: a coordenadora geral de Desenvolvimento do Audiovisual da secretaria, Lia Bahia, e a assessora Internacional, Fabiana Comparato; assim como a assessora da Diretoria de Tecnologia da FAPERJ, Isabella Paes de Carvalho.

Após a apresentação do edital, a plateia teve a oportunidade de tirar algumas dúvidas com os coordenadores do programa. Lia Bahia esclareceu que, para concorrer à bolsa, o interessado precisa ter um orientador, que deve ser professor universitário vinculado a alguma instituição de ciência e tecnologia (ICT) sediada no estado do Rio de Janeiro. Não há exigência de titulação para o orientador.

“O bolsista também não precisa ser universitário. Acreditamos que essa troca é muito rica e fundamental. A universidade ganha e o artista também. Consultamos alguns professores universitários e eles estão bastante empolgados com a possibilidade de que essa experiência irá agregar valor ao currículo deles”, afirmou.

Lia informou ainda que não será exigida prestação financeira de contas do bolsista, apenas relatórios rotineiros que apontem para o processo de desenvolvimento do projeto. “Será exigida apenas a prestação de contas da taxa de bancada do orientador”, acrescentou. “O edital é bem aberto e voltado para artistas. Não é um bicho de sete cabeças”, brincou Lia.

As coordenadoras do programa explicaram ainda que para concorrer à bolsa, o interessado não pode ter vínculo empregatício e nem ser beneficiário de bolsa FAPERJ. “A bolsa é individual e voltada à pessoa física. E podem ser inscritos dois projetos por orientador, apenas. O pagamento deve começar em junho e deve durar 12 meses. Por isso, o projeto também deve ser desenvolvido no período 12 meses”, disse Isabella Paes de Carvalho.

Quando à banca de avaliação das propostas, Eva Doris esclareceu que, a partir da próxima semana, a Secretaria de Cultura junto com a FAPERJ irão definir os nomes. “Já os critérios de seleção e pesos estão expostos no edital, que poderão ser verificados a partir da meia-noite”, afirmou Eva, tentando acalmar os ânimos da plateia, bastante ansiosa.

Apoio à produção e divulgação das artes no estado do Rio de Janeiro – 2016

O segundo programa lançado nesta quinta-feira, pela Fundação — “Apoio à produção e divulgação das artes no estado do Rio de Janeiro – 2016”, por sua vez, visa incentivar projetos que contribuam para o desenvolvimento do campo artístico no estado do Rio de Janeiro, contemplando, para isso, propostas das seguintes áreas: Fundamentos e Críticas das Artes; Artes Plásticas; Música; Dança; Teatro; Ópera; Fotografia; Cinema; Artes do Vídeo; e Educação Artística.

Com recursos de R$ 1,5 milhão, que serão pagos em até 12 parcelas mensais, as propostas deverão ser classificadas em uma das seguintes faixas, de acordo com o montante solicitado: Faixa A entre R$ 40 mil e R$ 60 mil, a serem pagos em até 12 parcelas fixas mensais de R$ 5 mil; Faixa B até R$ 36 mil, a serem pagos em até 12 parcelas fixas mensais de R$ 3 mil. Tais recursos financiarão despesas de capital, como a aquisição de materiais permanentes e equipamentos; e despesas de custeio, em que se incluem serviços de terceiros (pessoas físicas e jurídicas), com caráter eventual, incluindo a manutenção de equipamentos e material permanente, a realização de pequenos reparos e adaptações de bens imóveis (até o máximo de 50% do montante total solicitado); diárias e passagens desde que compreendam despesas necessárias para o desenvolvimento do projeto de pesquisa; não serão permitidas diárias e passagens para participação em reuniões científicas; material de consumo, incluindo componentes e/ou peças de reposição de equipamentos; despesas de importação (até o limite máximo de 18% do valor do bem importado).

A submissão de projetos poderá ser feita de 29 de janeiro a 24 de março. A divulgação dos resultados está prevista para ser realizada a partir de 28 de maio.

Confira a íntegra do edital Estímulo à Criação, Experimentação e Pesquisa Artística

Confira a íntegra do edital Apoio à produção e divulgação das artes no Estado do Rio de Janeiro

Assessoria de Comunicação FAPERJ